Portugal, Espanha e Itália subscreveram um documento conjunto onde defendem um reforço da importância da Política de Defesa Comum, com mais partilha de meios e maior articulação na segurança marítima, adiantou à Lusa o ministro da Defesa português.

José Pedro Aguiar-Branco falava à agência Lusa após a primeira sessão da reunião informal de ministros da Defesa da União Europeia, em Vilnius, capital da Lituânia, que se destina essencialmente a preparar o Conselho Europeu sobre Segurança e Defesa, agendado para dezembro.

«Tivemos a possibilidade de apresentar um papel conjunto com a Espanha e com a Itália que foca os problemas que entendemos que devem ser retratados nesse Conselho Europeu e eu tive a possibilidade de reafirmar aqui essa posição, esperamos que no relatório final venham a ser incluídas várias das nossas indicações», afirmou.

Na carta enviada no final da semana passada à Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança, Catherine Ashton, os ministros da Defesa dos três países dizem existir questões que «têm limitado» o desenvolvimento deste setor no plano europeu e que este precisa de receber «maior impulso político».

O ministro da Defesa português referiu que os três países esperam ainda «uma avaliação mais precisa quanto à segurança marítima» e um reforço do «pool and sharing» (partilha de meios militares).

«Numa altura em que temos orçamentos de grande constrangimento em todos os países da União Europeia devemos reforçar situações e projetos concretos de edificação de capacidades comun», reforçou José Pedro Aguiar-Branco.

Questionado sobre a questão da Síria e o encontro dos ministros europeus com o secretário-geral da NATO, hoje à tarde, Aguiar-Branco respondeu que este tema «não está na mesa e não foi tratado ainda».

A reunião informal de ministros da Defesa da União Europeia, em Vilnius, termina na sexta-feira.