Alguma vez deu por si a imaginar em que séries televisivas os políticos portugueses poderiam participar? Se sim, esta sequência de imagens pode interessar-lhe. A sátira criada e divulgada na página do Facebook da produtora Andreia Carvalho baseou-se na opinião pública sobre os protagonistas da política nacional e está a fazer furor nas redes sociais.

A ideia surgiu quando Andreia Carvalho viu uma fotografia de José Sócrates, no dia em que foi libertado da prisão. Depois de alterar o cenário da foto, lembrou-se que o caso poderia ser associado à série Prison Break.

Esta foi apenas a primeira de uma série de imagens que criaria com o mesmo conceito e cujas “ideias têm surgido naturalmente, desde então”, afirmou a autora à TVI.

Entre os políticos satirizados está, como não podia deixar de ser, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, ao qual foi atribuída a série Lie to me (que em português significa “mente-me”), acompanhada de um slogan onde se pode ler Truth Hurts (“a verdade dói”), uma frase que parece resumir as declarações do primeiro-ministro durante todo o mandato.



Já para o colega de coligação, Paulo Portas, foi dedicada a série Shameless (que se pode traduzir como “sem vergonha”).

Mas a oposição também não foi poupada a críticas. A representar o PS, a António Costa foi atribuída a série de fantasia norte-americana Once Upon a Time. A escolha parece ter sido inspirada nas críticas às medidas propostas pelo líder socialista, que muitos veem como utópicas e irrealizáveis.

Para Jerónimo de Sousa ficou reservada a série Lost.

“Lembrei-me de algumas conversas sobre as ideias da CDU para sair do euro e voltar ao escudo. E do que se falava sobre isso, da utopia que era e da ilusão em que Jerónimo vivia”, revelou a autora.





Aníbal Cavaco Silva também não escapou à sátira com um trocadilho entre o seu nome e a série Hannibal, que está agora na “série final”. Também a mulher do Presidente da República, Maria Cavaco Silva, teve direito a um cartaz, pois, apesar de nunca ter ocupado nenhum cargo político, “está representada por ser uma figura muito popular e está, indubitavelmente, ligada à política”, conservando a imagem de “good wife” (“boa esposa”).




Também o eurodeputado, António Marinho e Pinto, Mariana Mortágua, deputada do Bloco de Esquerda, e o ministro da saúde, Paulo Macedo, mereceram um lugar na lista.

“Há figuras políticas de algum destaque que ainda não estão representadas, mas é uma questão de falta de enquadramento nas séries que conheço”, afirmou Andreia Carvalho, que garante querer alargar o projeto a outras personalidades no futuro.


Contudo, a autora salienta que as imagens não representam qualquer consideração pessoal e que estas não devem ser observadas como forma de campanha.

“Baseei-me na opinião geral e nos comentários que ouço sobre essas figuras. E o nome dessas séries chamou-me logo a atenção. Obviamente que são comentários relativos ao seu trabalho enquanto políticos, nada mais. Esta sátira deve ser encarada apenas como isso, uma sátira, e nada mais do que isso”.


A par das imagens criadas, a produtora tem ainda outros empreendimentos em mãos, entre eles um projeto documental, “Um Lugar Ao Colo”, com a Plataforma ProAnimal, sobre a adopção e abandono dos animais.