O secretário-geral da Amnistia Internacional, Salil Shetty, manifestou-se “profundamente indignado” com a detenção de vários elementos da organização na Turquia que participavam num workshop num hotel em Buyukada, denunciou o “abuso de poder grotesco” das autoridades e exigiu a “libertação imediata e incondicional” dos ativistas detidos.

A polícia turca não divulgou informações sobre as detenções. Desconhece-se o paradeiro do grupo de ativistas.

Estamos profundamente perturbados e indignados com a detenção descarada sem acusação formada de alguns dos mais destacados ativistas dos direitos humanos na Turquia, incluindo a diretora da Amnistia Internacional (AI) na Turquia”, afirmou Shetty, num comunicado enviado às redações.

“A detenção dela [Idil Eser] e de outros ativistas dos direitos humanos que participavam numa formação de rotina, constitui um abuso de poder grotesco e ilustra a situação precária que os ativistas dos direitos humanos enfrentam no país”, acrescentou o secretário-geral da AI.