A taxa de desemprego caiu, mas o país criou 7 900 empregos que auferem menos de 310 euros por mês.

Segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística, há ainda 48 200 novos postos de trabalho, que não distribuídos por escalão de rendimentos porque os inquiridos não responderam sobre quanto foram auferir.

Nas estatísticas do emprego, é possível perceber que o trabalho em part-time cresceu: são já 651 800; e os fenómenos de subemprego também, que cresceu 4,8%, em relação ao primeiro trimestre do ano, para 270 400.

Certo é que o número de pessoas empregadas aumentou (1,6%), também em comparação com os primeiros três meses do ano, o que significa que mais 72 400 têm trabalho.

É resultado do verão e do trabalho sazonal. Só na agricultura, foram criados 48 mil novos postos de trabalho.

No site oficial do Instituto de Emprego e Formação Profissional, são várias as propostas publicadas online.

Quase todas de trabalho temporário, que rondam o valor do salário mínimo nacional, não só na agricultura mas também na restauração e hotelaria.