O presidente do Banco Espírito Santo (BES), Ricardo Salgado, considerou esta sexta-feira que os indicadores macroeconómicos que têm sido libertados, nomeadamente, sobre o desemprego e a atividade económica, são positivos e demonstram a recuperação da economia portuguesa.

«Hoje, tivemos mais uma boa informação, que foi do Eurostat. O desemprego continua a cair, o que confirma que a economia está a funcionar e está, no fundo, a melhorar», afirmou aos jornalistas o banqueiro, à margem de um evento em Lisboa.

Salgado destacou também «o indicador coincidente do Banco de Portugal que, pela primeira vez desde 2011, é positivo em 0,4%», sublinhando que ambos «são fatores positivos».

Segundo os dados hoje divulgados pelo gabinete oficial de estatísticas da União Europeia (Eurostat), a taxa de desemprego em Portugal desceu em outubro, pelo oitavo mês consecutivo, para os 15,7%.

Já o indicador da atividade económica do Banco de Portugal, libertado no passado dia 22, apresentou em outubro um crescimento de 0,4%, naquela que é a primeira variação positiva em dois anos e meio.

Questionado sobre a sua opinião acerca do teor da entrevista concedida à estação televisiva TVI, na quinta-feira, pelo ministro da Economia, Pires de Lima, o presidente do BES disse que «foi toda ela muito positiva».

E acrescentou: «Reflete, de facto, o que está a acontecer no nosso país».

No que toca às declarações feitas igualmente na quinta-feira pelo governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, no Parlamento, nas quais vincou que a banca portuguesa está bem capitalizada, pelo que está confiante nos resultados que sairão das avaliações do Banco Central Europeu (BCE), afastando mesmo a necessidade de novos recursos dos bancos portugueses à linha de recapitalização da troika (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional), o banqueiro não se alongou em comentários.

«Também estou confiante, claro», afirmou o líder do BES.

Salgado falava no final da cerimónia de entrega dos prémios relativos à 9.ª edição do Concurso Nacional de Inovação BES, que este ano atribuiu um valor total de 265 mil euros a quatro projetos, do total de 134 concorrentes.

O Instituto de Medicina Molecular - que recentemente recebeu financiamento da Fundação Bill & Melinda Gates - foi o grande vencedor.

Os restantes contemplados foram os projetos bioM (Wearable Gesture Recognition), Screen Wood e C2C - Supercondensadores.

Nas nove edições que leva este concurso promovido pelo BES em parceria com diversas entidades, conta-se a participação de 1.470 projetos e a atribuição de quase 3 milhões de euros em prémios aos 46 projetos vencedores nos diversos setores.