[Notícia actualizada]

Os lucros da Semapa (atribuíveis a accionistas) caíram 12,8 por cento para os 106,3 milhões de euros, em 2008, anunciou esta terça-feira a empresa.

Em comunicado emitido na Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Semapa revela que o volume de negócios aumentou 0,4% para os 1.441,7 milhões de euros, no período em análise, mas o EBITDA caiu 17,7% para 356,2 milhões de euros. Também o EBITDA recorrente desceu 16,4%, para os 339,7 milhões de euros.

Dívida líquida subiu

Já a dívida líquida aumentou 22,3% para 1.086 milhões de euros, a reflectir «a concretização do plano de investimentos em curso no grupo», referem.

«A actividade em 2008 evidencia não só o processo de consolidação nas duas áreas de negócio onde o grupo desenvolve a sua actividade - papel, pasta de papel, cimentos e seus derivados -, mas também a entrada numa nova área emergente e em forte expansão - ambiente - através da aquisição do grupo ETSA», sustentam.

Mais de 290 colaboradores

Apesar da actual conjuntura económica, o grupo registou um aumento de 291 colaboradores com a inclusão do grupo ETSA no perímetro de consolidação e com a contratação de novos colaboradores por parte do grupo Portucel Soporcel.

«A Semapa optou por incluir o grupo ETSA no segmento holdings, tendo em consideração a sua integração nas demonstrações financeiras do grupo Semapa com efeitos a partir de 1 de Outubro de 2008 (uma vez que a aquisição desse grupo ocorreu nesse período) e devido à sua actual dimensão quando comparada com as outras duas áreas de negócio do grupo Semapa», referem.

A empresa informa ainda que adquiriu cerca de 1,6 milhões de acções próprias pelo grupo Portucel Soporcel, representativas de 0,20% do capital social da Portucel.

Revela ainda que a Semapa já foi notificada da decisão do Tribunal de primeira instância relativa à matéria de facto na acção interposta contra diversas sociedades dos grupos Teixeira Duarte, BCP e Lafarge, relativa à violação da obrigação de lançamento de uma OPA obrigatória sobre acções da Cimpor. Uma decisão que vai contra os interesses da Semapa.

Durante 2008, a empresa procedeu ao «recálculo da mais-valia da venda de 49% do capital social da Secil, influenciando positivamente os resultados em 16,1 milhões de euros, à semelhança do que foi efectuado em 2006 e 2007, de forma a acomodar estas duas situações».

As acções da Semapa fecharam a ganhar 0,94% para os 5,91 euros.