Esta nova plataforma de análise, denominada Eyefry, surge porque "os sistemas que atualmente existem colocam questões de robustez e fiabilidade", sendo que se colocou a ideia de poder investir numa solução que conjugasse "a facilidade de uso e o baixo custo analítico e resultados confiáveis", anunciou em comunicado o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), um dos parceiros envolvimentos no lançamento desta tecnologia.


Esta inovação, destaca o comunicado, "tem impacto na saúde pública, uma vez que existe uma relação de casualidade entre a ingestão de óleos usados na fritura, a sua degradação e o aparecimento de certas patologias".




"Para além dos benefícios económicos que o projeto Eyefry vai trazer, está provada uma relação de causalidade entre a ingestão de óleos usados na fritura, a sua degradação e o aparecimento de certas patologias, tais como doenças degenerativas, oncológicas, envelhecimento precoce, entre outras", pode ler-se no documento.