O anunciado candidato à Presidência da República Sampaio da Nóvoa percebe que os apoios dos partidos só sejam anunciados após as legislativas e vincou que não vai ajustar a sua candidatura em função dos apoios que obtenha.

“Não vou andar a fazer guinadas nem para a direita nem para a esquerda, nem para um lado ou para o outro em função do apoio disto ou daquilo”


Nóvoa disse à Lusa que aceitará todos os apoios e de todos os portugueses que se sintam em sintonia com a sua candidatura.

À margem de um debate sobre a descentralização cultural que decorreu em Tavira, apontou que a sua candidatura precisa de se reforçar e ganhar “uma projeção e uma dimensão de vitória”.

“É evidente que isso se faz também com os partidos que queiram aderir a este processo e obviamente que isso é uma condição importante”, mas a linha e princípios da candidatura estão definidos e que não os irá “alterar um milímetro”.


Entretanto, Maria de Belém já se desdobra em contactos e até já recebeu apoiantes em sua casa, embora não tenha anunciado oficialmente a sua candidatura. 

Dois socialistas estarão na corrida, mas o secretário-geral do PS, António Costa, que não se tem pronunciado sobre o apoio socialista a candidatos presidenciais, garante que só o fará “no momento próprio” e que “não será fator de divisão”.

Este domingo, o candidato parte de bicicleta de Vilamoura numa iniciativa em que pretende estreitar contacto com a população algarvia.

Em dois dias, Sampaio da Nóvoa pretende fazer duas etapas (Vilamoura - Olhão e Olhão – Tavira), em quatro praças diferentes e vários pontos de paragem.

Dada a proximidade das eleições legislativas, Sampaio da Nóvoa pretende acalmar as iniciativas da sua campanha até 4 de outubro, sublinhando que este é momento eleitoral prioritário em que os portugueses têm de estar concentrados.