O secretário-geral do PS, António Costa, disse este sábado na Figueira da Foz que “um dos grandes desafios” do país é mobilizar os jovens para a atividade política.

O líder socialista falava aos jornalistas ao final da tarde no areal da Praia do Relógio, na Figueira da Foz, onde está a decorrer, hoje e domingo, a terceira edição do festival de música ‘Sunset’ e depois de ter permanecido durante cerca de uma hora no interior do recinto.

Reconhecendo que “há alguma distância” entre os jovens e a política, António Costa defendeu que é necessário “interrogarmo-nos” sobre o fenómeno e sobre aquilo que deve ser feito para a política “chegar mais aos jovens” e para os “mobilizar”.

Se “há grandes desafios que o país tem nos próximos anos”, este é um deles, sustentou o secretário-geral do PS, considerando que importa “devolver a esperança no futuro do país”.

Os últimos anos têm sido “muito duros” para os jovens portugueses, designadamente “a nível do desemprego, que é brutal”, e da “desistência do ensino superior, que é muito elevada”.

São necessárias “políticas de emprego direcionadas para a empregabilidade dos jovens”, afirmou António Costa, defendendo que a melhor forma de transferir conhecimento da Universidade para as empresas é mesmo [através da] empregabilidade dos jovens licenciados”.

“Em vez de andarmos a desperdiçar dinheiro, subsidiando empregos precários, e estágios precários e a enganar as estatísticas”, dever-se-ia investir na “criação de postos de trabalho de qualidade, que motivem e fixem os jovens”, sustentou o líder socialista.

“O país não tem licenciados a mais, tem empregos qualificados a menos”, afirmou.


Para António Costa, é igualmente necessário “investir cada vez mais em novos tipo de formação” e “diversificar a oferta a nível do ensino secundário (designadamente a oferta profissionalizante)” e, a nível do ensino superior, promover a sua ligação com “o mundo das empresas”.

Antes de ter contactado com jovens no ‘Sunset’, cumprimentando e trocando breves diálogos ou acenos ou deixando-se fotografar na companhia de jovens frequentadores do festival, António Costa passeou pelo Bairro Novo, no centro da cidade da Figueira da Foz, completamente cheio de jovens festivaleiros.

Como no areal da Praia do Relógio, o líder socialista foi muito saudado e frequentemente identificado como presidente da Câmara de Lisboa, cargo que abandonou em 01 de abril deste ano.