O prémio Nobel da Paz foi atribuído, esta sexta-feira, a Campanha Internacional para Abolir as Armas Nucleares (ICAN), uma coligação de organizações não governamentais de 100 diferentes países.

A ICAN tem sido o principal actor da sociedade civil no esforço para conseguir a proibição de armas nucleares sob o direito internacional.

O Comité justificou a decisão com o trabalho feito para a eliminação de armamento nuclear no mundo.

O tema está no centro de tensões internacionais, nomeadamente no Irão e Coreia do Norte.

Vivemos num mundo onde o risco de as armas nucleares serem utilizadas é mais elevado do que nunca. Alguns países modernizaram os respetivos arsenais nucleares e o perigo de mais países procurarem tê-los é real, como é o caso da Coreia do Norte", disse a presidente do Comité Novel norueguês, Berit Reiss-Andersen.

Reiss-Andersen apelou, por isso, às potências nucleares para que encetem "negociações sérias" para eliminar todas as armas atómicas.

Nobel é mensagem crítica a “comportamento inaceitável”

A diretora da ICAN afirmou que a distinção com o Nobel da Paz é uma mensagem crítica para todos os Estados com armamento nuclear.

“Envia uma mensagem a todos os Estados com armamento nuclear e todos os Estados que continuam a contar com as armas nucleares para a sua segurança de que esse é um comportamento inaceitável”, disse Beatrice Fihn.

“Não podemos ameaçar com o massacre indiscriminado de centenas de milhares de civis em nome da segurança. Não é assim que se constrói a segurança”, acrescentou.

Fihn disse que a distinção é “uma grande honra” e apelou aos países para que “proíbam agora” as armas atómicas.

“Este é um momento de grande tensão no mundo, uma altura em que declarações inflamadas podem levar-nos muito facilmente, inexoravelmente, para um horror inominável. O espetro de um conflito nuclear volta a pairar”, afirmou em comunicado.

“Se houvesse um momento em que as nações devem declarar a sua oposição inequívoca às armas nucleares, esse momento é agora”, acrescentou.

Beatrice Fihn explicou aos jornalistas que a organização recebeu um telefonema minutos antes do anúncio oficial de que a ICAN vencia o prémio, mas que pensou tratar-se de “uma partida” e não acreditou, até ouvir o anúncio formal.

"Temos dois miúdos no recreio com armas nucleares"

A jornalista Helena Ferro Gouveia considerou, em entrevista à TVI24, que o prémio Nobel da Paz foi atribuído na altura certa e que pode abrir portas a uma negociação entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte.

Esta questão é fundamental porque estamos num momento de grande tensão internacional e ninguém sabe muito bem como é que isto se vai desenvolver", afirmou.

Helena Ferro Gouveia comparou Donald Trump e Kim Jong-Un a "miúdos mimados que ditam as regras no recreio" e disse que esta tensão entre EUA e Coreia do Norte dificilmente avançará para um conflito.

"Temos dois miúdos birrentos no recreio, só que o recreio tem armas nucleares. Eu não acredito, também, que a Coreia do Norte queira avançar com um conflito direto com os Estados Unidos. Acho que estão a testar limites", acrescentou.

A decisão do Comité Nobel norueguês incide sobre nomes propostos até 31 de janeiro, podendo os seus cinco elementos acrescentar nomeações.

Qualquer pessoa pode ser nomeada, mas as nomeações só podem ser feitas por membros de governos em funções, deputados e chefes de Estado, do Tribunal Internacional de Justiça de Haia e do Tribunal Permanente de Arbitragem de Haia e do Instituto de Direito Internacional.

Também o podem fazer professores universitários das áreas de humanidades e de teologia e religião, reitores e diretores de universidades, diretores de institutos de estudos para a paz e de política internacional, laureados com o Nobel da Paz, responsáveis de organizações distinguidas com o Nobel da Paz, atuais e antigos membros do Comité Nobel norueguês e ex-conselheiros desta entidade.

Até hoje, apenas 16 mulheres foram distinguidas com o Nobel da Paz.

A ICAN sucede ao Presidente colombiano, Juan Manuel Santos, distinguido no ano passado pelos seus esforços na restauração da paz na Colômbia.