O Prémio Nobel da Economia foi atribuído a Oliver Hart e Bengt Holmström "pelas suas contribuições para a teoria dos contratos".

A Real Academia Sueca das Ciências distinguiu, assim, o economista britânico, Oliver Hart, e o economista finlandês, Bengt Holmström, ambos professores em universidades norte-americanas, pelos “seus contributos para a Teoria dos Contratos”, que consideram “valiosos” para perceber os mesmos na vida real, bem como potenciais armadilhas na sua conceção.

“Através dos seus contributos, Hart e Holmström, desenvolveram a Teoria dos Contratos como um campo fértil para a investigação. Nas últimas décadas, exploraram igualmente muitas das suas aplicações. A sua análise sobre a melhoria das condições contratuais estabelece as bases para a definição de políticas e instituições em várias áreas, da legislação sobre falências a constituições políticas”, sublinha a organização num comunicado.

A temporada dos prémios Nobel 2016 começou no dia 3 de setembro com o anúncio do Nobel da Medicina, atribuído ao japonês Yoshinori Ohsumi pela descoberta do mecanismo de autofagia celular. O Nobel da Física foi atribuído a David J. Thouless, e a F. Duncan M. Haldane e J. Michael Kosterlitz pelas descobertas teóricas das transições da fase topológica e às fases topológicas da matéria. Na quarta-feira, a Real Academia Sueca das Ciências distinguiu o francês Jean-Pierre Sauvage, o britânico Fraser Stoddart e o holandês Bernard Feringa com Nobel da Química pela criação de máquinas moleculares.

Por sua vez, o Prémio Nobel da Paz foi atribuído, na passada sexta-feira, ao presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, pelos esforços desenvolvidos para acabar com 50 anos de guerra civil no país.