O número de mulheres nas direcções das empresas em Portugal continua a ser menor que a média europeia (31,8 por cento em 2007), indicam dados divulgados pelo Eurostat a propósito do Dia Internacional da Mulher, que se assinala este domingo, aponta a agência Lusa.

Segundo os dados divulgados, o número de mulheres que ocupam cargos directivos nas empresas na União Europeia (UE) aumentou, embora esse crescimento seja mais lento: 33 por cento em 2007, 30 por cento em 2001.

Em Portugal, o número de mulheres que ocupam lugares de topo nas empresas é menor que a média europeia: 31,8 por cento em 2007, mais um por cento que em 2001, referem os mesmo dados.

Diga «Eu quero» para chegar a chefe

Em declarações à Lusa, a presidente da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, Elza Pais, salientou que a «crise económica mundial deve ser aproveitada para diminuir as diferenças» entre os sexos, devendo por isso os Governos ter «em conta a perspectiva de género e apostar fortemente nas mulheres».

Investimento nas mulheres tem efeito multiplicador na produtividade

«É preciso combater a crise através de medidas que não aumentem a desigualdade. A crise deve ser uma oportunidade para combater o fosso entre homens e mulheres e não para reforçá-lo», disse Elza Pais.

A responsável lembrou que diversos estudos em todo o Mundo demonstram que o «investimento nas mulheres tem um efeito multiplicador efectivo na produtividade, na eficiência e no desenvolvimento económico sustentável».

1 em cada 10 recebe salário mínimo

O reforço da «necessidade de partilha de responsabilidades no que diz respeita aos cuidados da família» entre homens e mulheres é outra questão incontornável para Elza Pais, que lembra que enquanto estes direitos e deveres não forem repartidos o «acesso às oportunidades fica desequilibrado».

Portuguesas são das que «mais trabalham»

Devido a esta falta de partilha, a maioria das mulheres portuguesas, das que mais trabalham na Europa, ainda enfrenta «uma dupla jornada de trabalho, o que aumenta as dificuldades».

«A nível das licenciaturas há mais mulheres e entrarem na faculdade e são também elas que têm mais sucesso. Mas então porque é que não ocupam mais lugares de topo?», questionou.

Segundo os dados do Eurostat, as mulheres consolidaram nos últimos anos a sua maioria entre os estudantes universitários em todos os países da União Europeia, excepto na Alemanha, apresentado Portugal um número muito próximo da média europeia (55,2 por cento).

No âmbito das comemorações do Dia Internacional da Mulher, será apresentado, em Lisboa, o «Portal para a Igualdade» e lançada a «Campanha sobre a Tomada de Decisão», com a presença do secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, Jorge Lacão.

O Dia Internacional da Mulher é também assinalado em vários pontos do país, por iniciativa, nomeadamente, de autarquias e organizações da sociedade civil.