A semana começou mal para a Bolsa em Lisboa, que ainda assim recuperou algum fôlego ao longo da tarde.

A quebra foi de 0,37 por cento para 5.754,71 pontos, e perante um cenário europeu misto: o Dax escalou 0,70% e o FTSE 0,33%, enquanto o CAC recuou 0,60% e o IBEX 1,72%.

A grande estrela da sessão foi a Sonaecom, que disparou 7,15% para 1,12 euros, num sinal de entusiasmo perante os resultados anuais da empresa, cujos lucros caíram 86% para os 5 milhões.

Apesar da queda, os investidores gostaram do saldo final, quando se pensava que a dona da Optimus teria até prejuízos .

Foi, aliás, um dia em alta para a família Azevedo, até porque a Sonae SGPS também ganhou fôlego e foi o segundo título que mais somou: disparou 4,25% para os 46,6 cêntimos.

No outro lado da balança, foi um dia muito negativo para o BCP, que voltou pela sétima sessão consecutiva a ceder terreno. O banco encerrou nos 57,6 cêntimos, o que reflecte uma descida de 3,03%. A condicionar este título estão diversas notícias relacionadas com o sector a nível internacional, além do anúncio de um corte nas remunerações dos seus gestores.

O BES também perdeu, 0,87% para 4,65 euros, tendo o BPI escapado por margem ligeira à maré vermelha: escalou 0,07% para 1,35 euros.

A penalizar fortemente o PSI20 estiveram também títulos como a Portugal Telecom, que cedeu 1,87% para 5,88 euros, a EDP Renováveis, que deslizou 2,07% para 5,69 euros, ou a Cimpor, com perdas de mais de 2% para os 3,10 euros.

A EDP subiu 0,53% para 2,46 euros.

Nos Estados Unidos, os mercados seguem em baixa: o Dow Jones cai 0,95% e o Nasdaq 1,45%.