O primeiro-ministro, José Sócrates e o ministro das Obras Públicas, Mário Lino, participam esta quinta-feira na cerimónia de assinatura do contrato da Concessão Litoral Oeste em Leiria, adjudicada ao consórcio Auto-Estrada Litoral Oeste, da Somague, Lena e Brisa.

«O primeiro lanço da Concessão Litoral Oeste estará pronto em Fevereiro de 2011, devendo a conclusão do empreendimento ocorrer em Fevereiro de 2012, após 36 meses de trabalhos», afirma o Ministério das Obras Públicas em comunicado.

De acordo com a agência Lusa, a concessão Litoral Oeste inclui a concepção, construção, aumento do número de vias, financiamento, exploração e conservação, com cobrança de portagem aos utentes, da ligação em auto-estrada entre a A1 e a A8 na zona de Leiria (IC36) e a Variante da Batalha ao IC2.

Já nos lanços sem portagem estão integrados o IC9 entre Nazaré e Tomar, e as variantes de Alcobaça e Nazaré, assim como a Cintura Oriente e a Via de Penetração, ambas em Leiria, e o IC2.

A esta concessão corresponde um investimento de 260 milhões de euros nos Distritos de Leiria e Santarém, num total de 80 quilómetros de novas vias.

No debate quinzenal, na Assembleia da República, o PSD acusou esta quarta-feira o Governo de gastar indirectamente 4,5 milhões de euros em inaugurações no valor de 500 mil euros cada uma, o que foi negado pelo primeiro-ministro, José Sócrates, e pelo ministro das Obras Públicas.

O ministro das Obras Públicas desvalorizou o gasto de cerca de quatro milhões de euros em mais de 600 inaugurações de estradas e adiantou que esse custo é pago pelas concessionárias e não pelo Estado.

«O PSD falou em cerca de quatro milhões de euros a dividir por mais de 600 inaugurações. Eu nem sabia que era tão pouco. Mas não é o Estado que gasta mas sim cada concessionária», afirmou Mário Lino na Assembleia da República.