O empresário português Paulo Tomás, de Oliveira de Hospital, confirmou esta sexta-feira à Agência Lusa o interesse na criação de um consórcio luso-alemão para aquisição da fábrica Qimonda de Vila do Conde.

Segundo Paulo Tomás, responsável por uma empresa de projectos de arquitectura, o projecto surgiu no âmbito da colaboração existente entre o seu gabinete e a Apasolar, empresa alemã da Baixa Saxónia, que produz painéis fotovoltaicos.

«Pensamos que existe uma grande potencialidade no mercado internacional para a produção de painéis fotovoltaicos de terceira geração», afirmou Paulo Tomás, acrescentando que procura «uma empresa na Europa que pudesse produzir este tipo de tecnologia», tendo a oportunidade surgido quando se soube da situação da Qimonda.

De acordo com Paulo Tomás, foram já contactadas 115 empresas de todo o mundo, por forma a criar uma plataforma giratória de negócio em Vila do Conde, tendo já sido também iniciadas negociações com a autarquia local.

Para o empresário português, «é possível criar sinergias com a produção de semi-condutores e estes painéis (fotovoltaicos), pois usam matérias-primas comuns».

«A nossa ideia é aproveitar a mão-de-obra qualificada que existe na Qimonda Portugal e aliar a esta o know-how que os alemães possuem», diz Paulo Tomás.

O empresário pretende, a curto prazo, iniciar negociações com o Governo português, procurando a obter garantias para um financiamento que estima em cerca de 500 milhões de euros.

O projecto do consórcio «será apresentado em pormenor dentro de duas a três semanas», disse Paulo Tomás.