O gestor norte-americano Bernard Madoff irá declarar-se quinta-feira culpado de fraude bolsista, perjúrio e outros crimes, sabendo que poderá enfrentar até 150 anos de cadeia pela autoria de uma das maiores fraudes da história.

A revelação surgiu através do seu advogado, Ira Sorkin, que afirmou na terça-feira ao tribunal que Bernard Madoff irá declarar-se culpado sem fazer qualquer acordo com a justiça, após o Ministério Público revelar um documento onde acusa o gestor de 11 crimes.

De acordo com a Lusa, antigo presidente da Bolsa de Valores Nasdaq encontra-se sob prisão domiciliária na sua mansão em Manhattan, avaliada em sete milhões de dólares, desde que foi detido em Dezembro, após as autoridades afirmarem que Madoff confessou à família ter montado uma fraude na ordem dos 50 mil milhões de dólares.

Em documentos entregues ao tribunal, a acusação elevou o montante da alegada fraude cometida para 64,8 mil milhões de dólares.

As autoridades que estão a rever as finanças da sociedade do gestor afirmaram que as perdas reais deverão ser muito inferiores e que os altos números reflectem os falsos lucros que Madoff prometeu aos investidores.

Até ao momento, as autoridades conseguiram recuperar cerca de mil milhões de dólares para pagar aos investidores lesados.

O gestor chegou ao tribunal três horas antes do início da audiência, munido de um colete à prova de balas, com as autoridades a tentarem evitar o confronto com investidores lesados.

O procurador-geral adjunto Marc Litt afirmou em tribunal que não será proposto qualquer acordo e que poderá ser pedida a pena máxima neste tipo de crimes para Madoff, o que equivale a 150 anos de prisão efectiva.

Bernard Madoff foi acusado de fraude bolsista, fraude de aconselhamento financeiro, fraude de correspondência e em cadeia, branqueamento de capitais, falso testemunho, perjúrio, apresentação falsos documentos a entidade reguladora dos mercados norte-americanos, a SEC, roubo de plano de benefícios de um empregado e duas acusações internacionais de branqueamento de capitais.