A bolsa em Lisboa, depois de ter aberto a sessão a ganhar, segue agora a negociar em terreno negativo, acompanhando a tendência das restantes praças europeias.

O pessimismo continua a afectar os mercados. A bolsa de Tóquio terminou a sessão desta segunda-feira ao seu nível mais baixo dos últimos 26 anos, depois de ter caído mais de 1%, devido ao anúncio de um défice recorde do Japão em Janeiro.

O IBEX tomba 2,39%, o CAC cai 2,47%, o FTSE derrapa 1,26% e o DAX perde 1,15%.

Por cá, o PSI20 cai 0,60% para os 5.741,42 pontos.

Na banca, o BCP perde 3,36% para os 0,57 euros. O BES derrapa 1,57% para os 4,61 euros, já o BPI soma 0,22% para 1,35 euros.

Depois do BES, agora é a vez do BCP cortar salários dos seus órgãos sociais. Uma medida que prevê poupar 3 milhões de euros.

Destaque ainda para a Brisa que perde 1,20% para os 4,37 euros. A concessionária revelou que a operação de cobrança de portagens na República Checa vai ser vendida.

Na energia, a EDP ganha 0,86% para os 2,46 euros, a Galp Energia tomba 0,25% para os 8,47 euros.

Lucros da Sonaem puxam ganhos

Nas telecomunicações, a PT derrapa 1,20% para os 4,61 euros, a Zon cai 0,13 para os 3,69 euros e a Sonaecom trepa 3,71 euros para os 1,08 euros. A empresa do grupo Sonae apresentou esta manhã resultados, em que os lucros caíram mais 86% para os 5 milhões de euros.

Também a Teixeira Duarte trepa 3,57% para os 0,43 euros. A construtora apresentou sexta-feira os resultados, em que os prejuízos rondaram os 450 milhões de euros, em que estes foram penalizados pelas perdas no BCP e na Cimpor.

Já os Estados Unidos fecharam a sessão de sexta-feira a negociar em terreno misto.