O défice externo português aumentou em 2008 para 10,6 por cento da riqueza gerada internamente, o valor mais elevado em pelo menos em 14 anos, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), avança a Lusa.

As contas nacionais trimestrais do INE mostram que esse indicador (necessidades de financiamento) subiu de menos 8,6%, em 2007, para menos 10,6%, em 2008.

Economia nacional cai 1,8% no 4º trimestre e estagna em 2008

Estes dados são explicados «pelo agravamento da balança de bens e serviços», refere o INE, já que o agravamento do saldo dos rendimentos foi compensado pela melhoria no saldo das transferências de capitais.

Nos últimos 13 anos, as necessidades de financiamento portuguesas agravaram-se em nove anos, tendo subido de menos 0,4% em 1995 para menos 10,6% em 2008.

Preços estáveis em Fevereiro

Na mensagem de Ano Novo do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva afirmou que «há uma verdade que deve ser dita: Portugal gasta em cada ano muito mais do que aquilo que produz. Não pode continuar, durante muito mais tempo, a endividar-se no estrangeiro ao ritmo dos últimos anos».