O presidente russo, Dmitri Medvedev, afirmou este sábado que a crise financeira alterou os seus planos, mas garantiu que a Rússia vai manter os objectivos, entre os quais transformar Moscovo num centro financeiro mundial, diz a Lusa.

«O ambicioso objectivo de transformar Moscovo num centro financeiro mundial não é actualmente a prioridade número um, mas isso não significa que renunciemos a ela», referiu Medvedev em mensagem gravada em vídeo e divulgada no seu «blogue» pessoal.

A divulgação do vídeo assinala a passagem de um ano sobre a data em que Medvedev foi declarado vencedor nas eleições presidenciais, substituindo o ex-presidente Vladimir Putin.

A «crise das divisas mundiais, a situação em torno do dólar e dos mercados, e o funcionamento das organizações internacionais coloca na agenda do dia a tarefa de criar uma nova arquitectura financeira mundial», afirma.

«O rublo tem ainda todas as possibilidades de ser uma das divisas de câmbio e de reservas mundiais», afirmou.

Medvedev anunciou em Novembro que pretendia converter a capital russa num dos centros financeiros alternativos a Wall Street, o qual responsabiliza pela actual crise global.

Desemprego pode afectar mais de 7 mil

Actualmente, Moscovo não se encontra na lista dos 50 centros financeiros e bolsistas mais importantes do mundo.

Apesar de ter perdido um terço do seu valor desde Setembro passado, o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, rejeitou a possibilidade de que o rublo possa sofrer uma queda similar à de 1998 que converteu em papel de parede as poupanças dos russos da noite para o dia.

Segundo os prognósticos oficiais, este ano a economia russa irá contrair-se, o orçamento será deficitário e o desemprego poderá afectar mais de sete milhões de trabalhadores.