O antigo administrador do Excellence Asset Fund declarou esta quarta-feira que o fundo vendeu a empresa porto-riquenha Biometric por 35 milhões, quando nas contas do grupo SLN, que detinha o fundo e o banco BPN, essa venda está registada por apenas «um dólar».

De acordo com a agência Lusa, António Coutinho Rebelo, que ajudou a criar e foi administrador do Excellence Assets Fund, contou que este fundo-que comprou a Biometrics à SLN em 2001 por 35 milhões de dólares-vendeu a empresa a 19 de Março de 2003 por cerca de 35 milhões de euros.

Ou seja, disse Coutinho Rebelo, o Excellence Assets Fund não só não perdeu dinheiro, como ainda realizou alguma margem «porque as vendeu pelo mesmo preço [que comprou] mas ganhou devido às variações cambiais entre dólar e euro».

BE alerta para contradições

O deputado João Semedo, do Bloco de Esquerda, apontou contradições nesta versão, adiantando que as contas da SLN-holding que detinha o BPN até à sua nacionalização, bem como o Excellence Assets Fund-indicam que a venda da Biometrics foi feita por apenas «um dólar».

O antigo administrador da SLN Dias Loureiro tinha admitido anteriormente na Comissão de Inquérito ao BPN que o negócio da Biometrics tinha resultado em prejuízos para o grupo, num negócio classificado por outros responsáveis como «ruinoso»,e que estes tinham sido distribuidos nas contas.

Dias Loureiro admitiu que o negócio da Biometric de Porto Rico terminou com perdas de pelo menos 38 milhões de dólares, que não foram inscritas nas contas da SLN por determinação de Oliveira e Costa, que lhe terá dado uma «explicação razoável» para esse procedimento.