O presidente da Autoeuropa garantiu esta sexta-feira que a empresa não vai recorrer a despedimentos e, para já, não pondera utilizar os apoios do governo dirigidos ao sector automóvel em Portugal.

«Não vamos fazer despedimentos e não há problemas para os trabalhadores permanentes, uma vez que os contratos de dois anos da empresa garantem os postos de trabalho», disse o presidente da Autoeuropa, em Lisboa, citado pela agência Lusa.

EUA: Vendas de automóveis caíram 38%

GM despede mais de 1.600 no Brasil

Trabalhadores protestam para manter emprego

Andreas Heinrich, que participou na Conferência organizada pela Ordem dos Economistas sobre «A Crise Económica e Financeira: Que Saídas?», referiu também que «não está a ponderar, para já, recorrer às ajudas do governo ao sector automóvel em Portugal».

«O apoio poderia ajudar-nos, mas temos a responsabilidade de usar as nossas próprias ferramentas antes de recorrer à ajuda governamental. Actualmente, as nossas ferramentas estão a funcionar e não precisamos do apoio do Estado», acrescentou.

Questionado pelos jornalistas sobre a profunda crise que afecta o sector automóvel, Andreas Heinrich, previu que a recuperação económica da empresa comece após o Verão.

«Estamos em condições de lidar com a crise e temos práticas flexíveis como o conceito do banco de horas e todas as ferramentas necessárias para ultrapassá-la», justificou o gestor.