Mulher só descobre que foi violada depois de ver vídeo

Vítima estava desmaiada e não se recordava dos abusos que foram filmados por telemóvel

Por: tvi24 / CLC    |   13 de Setembro de 2010 às 22:08
Três homens de Oxford, na Inglaterra, foram condenados por uma violação que só foi descoberta pela vítima depois de ter visto um vídeo do ataque filmado com um telemóvel, informa a BBC.

Mohammed Shahjahan, de 27 anos, Nicholas Jones, 26, e Feizal Ali, 26, violentaram a mulher, de 23 anos enquanto estava desmaiada num apartamento em Oxford, em Novembro de 2009.

A mulher tinha bebido três copos de vodka com Red Bull e não se lembrava de ter sido abusada sexualmente. Duas semanas depois, um dos rapazes envolvidos no ataque mostrou-lhe as imagens. Segundo a vítima, o momento da descoberta foi «um grande choque».

O juiz do caso, Julian Hall, descreveu a violação como «um incidente deplorável que não teria sido descoberto se Nicholas Jones não o tivesse filmado, guardado e depois mostrado (as imagens) à vítima».

Shahjahan, descrito pelo juiz como «um jovem arrogante, sem coração, sem vergonha e sem nenhuma consideração pela vítima», foi condenado a oito anos e meio de prisão.

Já Jones, que se declarou culpado das acusações de ataque sexual e voyeurismo, recebeu pena de três anos e meio de prisão e foi descrito como «um jovem decente que fez coisas absolutamente terríveis naquela noite».

Feizal Ali foi condenado a três anos de prisão. Todos os três vão ter os nomes incluídos numa lista de criminosos sexuais.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: violação
violação
COMENTÁRIOS

PUB
Tudo «ilegal»: resolução que dividiu o BES e retirada da garantia de Angola

Medida do Banco de Portugal que criou o Novo Banco foi «excessiva, desnecessária e desadequada», segundo o ex-administrador do banco, Rui Silveira, que também não poupa críticas a Passos Coelho, que fez uma «desrespeitosa interferência». Quanto à decisão «unilateral» de Luanda, também esteve ferida de «ilegalidade». Se fosse ele a responder às autoridades angolanas, teria agido «judicialmente» para impedir que a garantia se perdesse