«Sol»: Teixeira da Mota fala em medida «raríssima numa sociedade democrática»

Para o Jurista a providência cautelar interposta por Rui Pedro Soares configura numa inédita pré-proibição

Por: tvi24 / AMS    |   11 de Fevereiro de 2010 às 19:07
Sobre a providência cautelar interposta por Rui Pedro Soares, administrador da Portugal Telecom, através dos seus advogados, ao jornal «Sol», Francisco Teixeira da Mota, considera que é grave a possibilidade de haver uma pré-proibição para impedir uma publicação, pois é claramente «censura prévia».

Para o jurista e comentador da TVI a providência cautelar para impedir a publicação do semanário «Sol» é uma medida «raríssima numa sociedade democrática». Nada se que tenha registado na história recente da imprensa portuguesa.

Nestes casos, acrescenta - e sublinha que desconhece o teor da providência cautelar em causa - o que lhe parece, no entanto, é que «deve haver uma ponderação de valores, entre o direito à intimidade ou à defesa do bom nome e da honra, por oposição, ao direito à informação e à liberdade de expressão. Um conflito entre direito e valores que exige algum cuidado».

Com a publicação das escutas o jornal «Sol» pode incorrer numa «ilegalidade mas se considerar que o que está em causa espírito público e a liberdade de informação, as escutas devem ser publicadas».

O jurista dá como exemplo o caso recente da providência cautelar interposta pelo casal Mccann relativa à publicação do livro de Gonçalo Amaral, «A verdade da Mentira», uma acção à posteri.

A concluir, Teixeira da Mota, considera que há evidentes sinais da «judicialização da política ou a politização da justiça», um «caldo entre a justiça e a política» que não augura nada de bom.
PUB
EM BAIXO: Oficial de justiça entrega providência cautelar ao semanário Sol
Oficial de justiça entrega providência cautelar ao semanário Sol

COMENTÁRIOS

PUB
Grécia: o dia que pode decidir o futuro do projeto europeu

Cerca de 10 milhões de gregos decidem hoje se aceitam ou não as propostas apresentadas pelos credores há mais de uma semana, através de um referendo convocado por Alexis Tsipras. As urnas fecham às 19:00 (17:00 em Lisboa). O caos estendeu-se às sondagens que, espelhando um país dividido, não deixam antecipar nenhum resultado. O boletim tem apenas duas respostas, "Sim" ou "Não", mas o que vai acontecer à Grécia depois do dia de hoje conduz-nos a múltiplos cenários