O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, afirmou este domingo, no Funchal, que o partido precisa de "pôr todas as forças no terreno" para enfrentar as eleições autárquicas de outubro e dar continuidade ao esforço para o crescimento do país.

Precisamos que os momentos para que trabalhámos tanto não se esfumem na conjuntura e possam manter para os próximos anos um bom ritmo de crescimento", disse Pedro Passos Coelho, pouco de depois de chegar à Herdade do Chão da Lagoa, nas zonas altas do Funchal, onde decorre a tradicional Festa do PSD/Madeira.

O presidente social-democrata vincou que, como líder da oposição, tem de estar ao serviço das ideias que defende para Portugal, denunciando o não está bem e apontando caminhos para que o país possa "melhorar ainda mais, chegar ainda mais longe, levar mais ambição às pessoas".

"Isso traz mais possibilidades para as famílias, para as empresas e exige um continuado esforço de reforma da economia e do país, que infelizmente não vemos o Governo fazer", afirmou.

Pedro Passos Coelho percorreu em seguida as barracas de comes-e-bebes, que representam as 54 comissões políticas de freguesias do partido, tendo provado poncha e chicharros fritos, maçarocas assadas e ginja, circulando por entre os populares, que a organização estima em 25 mil pessoas.

"Esta é a festa do PSD que mobiliza mais pessoas, e isso é importante, que o PSD se mantenha como um partido que tem uma raiz popular, que está próximo das pessoas", salientou Pedro Passos Coelho, que se encontra no Chão da Lagoa acompanhado pelo ex-líder parlamentar Luís Montenegro e pelo secretário-geral do partido, Matos Rosa.

"Há muita cigarra na política portuguesa"

Já este domingo à tarde, o presidente do PSD acusou o Governo de não estar a preparar Portugal para o futuro. Pedro Passos Coelho lembrou a fábula da cigarra e da formiga e disse que o país está a crescer graças às reformas do Executivo anterior. O líder social-democrata realçou que há “muita cigarra na política portuguesa” mas, na hora de tomar decisões, têm de ser os sociais-democratas a assumir essa responsabilidade.

Há tanta cigarra na política portuguesa mas, caramba, quando é preciso tomar decisões, não é para todos e tem sido para nós e voltará a ser”, declarou Pedro Passos Coelho, na festa anual do PSD/Madeira, no Chão da Lagoa, nas serras do Funchal.