O ministro da Cultura, João Soares, prometeu hoje invocar ‘ajuda divina’ para concretizar o ‘milagre’ de conseguir, ao nível do poder politico e económico, os recursos solicitados pelo autarca de Viseu para reforçar a cultura e património.

"Vou invocar a ajuda do senhor cónego do Cabido da Sé e, eventualmente, do senhor Bispo de Viseu, para que nos ajudem no milagre de conseguir, ao nível do poder politico e do poder económico, os recursos que são necessários e aqui foram sublinhados pelo presidente da Câmara de Viseu com tanta precisão", disse.


Durante a apresentação do programa do centenário do Museu Nacional Grão Vasco, o presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques, pediu que "a necessária e mais que provável reprogramação antecipada do Portugal 2020 passe pelo reforço da política cultural e do património histórico".

Para João Soares, este é "um milagre" que não está em condições de fazer. No entanto, deixou a garantia de que fará tudo o que estiver ao alcance das suas funções.

"Eu me esforçarei até ao limite das minhas forças para conseguir aquilo que são os objetivos comuns, enquanto patriotas empenhados no progresso da nossa terra", acrescentou.


Aos jornalistas, o governante destacou "o trabalho da maior relevância nacional" que vem sendo feito em Viseu no plano cultural.

"Isso dá-me uma particular satisfação, por se tratar de uma cidade do interior, com a relevância histórica que Viseu tem desde sempre, como um grande polo de relevância cultural nacional e com reflexos internacionais. O país está cheio de estrangeiros que nos visitam e Viseu está também a beneficiar desse afluxo", sustentou.


João Soares aproveitou a ocasião para dar mérito ao trabalho cultural que tem sido conduzido pelo presidente da Câmara de Viseu, frisando que as parcerias são um exemplo a seguir.

"Gostava de sublinhar que somos do plano político adversários, mas do plano pessoal amigos e não tenho a menor dificuldade em reconhecer esse trabalho notável", concluiu.