O secretário-geral socialista, António José Seguro, apela ao voto no PS nas eleições europeias para «iniciar a mudança» política em Portugal, num discurso em que acusou o primeiro-ministro de «mentir» e «enganar» os portugueses.

António José Seguro falava perante centenas de jovens, num encontro dedicado ao «Dia da Europa», na Alfandega (Porto), em que também participaram o cabeça de lista socialista às eleições europeias, Francisco Assis, o líder da JS, João Torres, e o candidato a eurodeputado Diogo Leão.

«No dia 25, o voto no PS iniciará a mudança em Portugal», declarou António José Seguro, numa intervenção em que defendeu a ideia de que o país «precisa de um Governo com gente decente».

Na parte final do seu discurso, já depois de ter responsabilizado os líderes europeus liberais e conservadores pela atual crise financeira, o secretário-geral do PS fez um ataque direto a Pedro Passos Coelho.

«É preciso dizer [no dia 25] que a juventude portuguesa, generosa e qualificada, não aceita ser governada por um Governo e por um primeiro-ministro que mente e que engana. Nada mina mais a confiança na política do que ter governantes que prometem uma coisa e fazem outra quando chegam ao poder», disse.

Segundo Seguro, é preciso agora fazer «uma coisa de cada vez».

«No dia 25, vamos contribuir para mudar a Europa, mas tendo a certeza que o nosso voto no PS não iniciará apenas a mudança na Europa e também iniciará a mudança em Portugal», sustentou.

No plano europeu, o secretário-geral do PS considerou urgente que a União Europeia se reconcilie com os seus ideais fundadores, dando primazia a valores como a solidariedade entre Estados-membros, em vez da atual lógica do «cada um por si» e do «desenrasque».

«Quando nos querem impor um pensamento único, segundo o qual cada um caminhará por si, temos de gritar que essa não é a nossa Europa», declarou o líder socialista.

Seguro diz que se BCE quer fazer reunião em Lisboa «que a faça no dia 26»

Seguro também afirmou hoje que se o Banco Central Europeu (BCE) quer fazer uma reunião em Portugal que a faça a 26, dia sem eleições, e «convide o seu amigo de Portugal, o primeiro-ministro».

O encontro promovido belo BCE, e que arranca a 25 de maio, dia das eleições europeias, não deveria arrancar nesse dia, pois o sufrágio «deve decorrer com o país concentrado» em pleno nas eleições para o Parlamento Europeu, advertiu António José Seguro.

«Podemos estar sob assistência financeira, mas nunca perdemos a nossa dignidade como povo», declarou o secretário-geral do PS, que reclama «bom senso» aos organizadores da reunião.