Augusto Santos Silva considera que as últimas declarações de Pedro Passos Coelho sobre o caso Tecnoforma são um anúncio de demissão. É pelo menos essa a interpretação que o comentador da TVI faz da expressão «tirar consequências» utilizada pelo primeiro-ministro.

«Tirar consequências de um eventual apuramento de ilícito por parte do Ministério Público, na boca de um primeiro-ministro, só quer dizer "demito-me"», considerou.

Augusto Santos Silva considera ainda que Pedro Passos Coelho poderia evitar o «avolumar» do problema. «Pessoalmente, bastaria ele dizer "não recebi remuneração seja de quem for, a não ser aqueles de direitos de autor, que são legítimas, enquanto fui deputado em regime de exclusividade". Ele não respondendo diretamente a esta pergunta dá a ideia que não quer vir a ser acusado, no futuro, de mentir», acrescentou.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, anunciou que irá pedir ainda esta terça-feira à Procuradoria-Geral da República que esclareça se cometeu ou não algum ilícito relativo às suas obrigações legais e fiscais enquanto deputado, e prometeu tirar «todas as consequências».