Rui Rio, ex-presidente da Câmara do Porto garante que vai ficar fora da política ativa nos próximos tempos, apesar das iniciativas em que tem surgido nas últimas semanas e que têm alimentado muitos comentários.

Em declarações exclusivas à TVI, Rui Rio afirma que «não está para aí virado». «Aí» é a liderança do PSD e, mais além, quem sabe, uma candidatura a líder do país.

«Não é uma coisa nem outra. Não estou para aí virado. Eu acho que não vou estar para aí virado nunca, a não ser por circunstâncias que possam acontecer».

Rui Rio não explica quais são essas circunstâncias, mas assegura que as aparições públicas que tem feito são agenda e não mais. Compromissos que terminam no fim do ano quando voltar ao trabalho.

«O que vou fazer é a parte profissional. O que no futuro o destino me pode traçar, destino sobre o qual não possa ter controlo, vamos ver».

Rio não faz futurologia.

«Não sei se o PSD está à minha espera ou não. O que eu acho é que no enquadramento atual não pode estar à espera de nada que não seja - como aliás o primeiro-ministro e presidente do partido disse - a apresentação da recandidatura» de Passos Coelho.

E acrescenta: «Não é o meu desejo. Não é. Mas, mesmo que fosse, não fazia sentido nenhum alguém dentro do PSD vir agora perturbar, neste semestre em que tanta coisa se decide, vir perturbar a vida nacional».

Marcelo Rebelo de Sousa admite que Rui Rio «é a figura mais forte» para o PSD «pós-Passos Coelho», referindo-se à plataforma apresentada esta semana no Porto.

«Se o Governo durar até 2015 e Passos perder as eleições, Rio tem uma oportunidade», disse, na TVI.

Já esta segunda-feira à noite, o ex-presidente da Câmara do Porto Rui Rio garantiu, à margem de um evento promovido pela Fundação Mário Soares, que não irá fazer oposição à liderança do PSD de Pedro Passos Coelho,

«Não vou fazer oposição à liderança de Pedro Passos Coelho, nem nunca fiz. Critiquei muitas vezes, mas na lógica de presidente da Câmara do Porto, quando estavam em causa os interesses do Porto e estiveram diversas vezes. Aí levantei a voz», referiu Rui Rio, à entrada de um jantar-conferência organizado pela Liga dos Amigos da Casa-Museu João Soares, em Leiria.

O ex-autarca afirmou desconhecer a existência de um movimento a defender a sua candidatura à liderança do PSD. «Fala-se do meu nome mas não quer dizer que exista. Estamos em liberdade, pode-se falar o que se quiser, mas não existe nada», declarou.

Rui Rio salientou que a sua intenção, até ao final do ano, é definir «em definitivo» a sua vida profissional. «Não tenho fortuna de família. Tenho de trabalhar e é isso que eu quero. A minha preocupação é essa», acrescentou.

Confrontado com o facto de existirem vários simpatizantes do PS no jantar conferência de hoje, Rui Rio rematou: «Não sei se são mais [que os do PSD]. Nunca os contei», cita a Lusa.