O Presidente da República, Cavaco Siva, afirmou nesta segunda-feira que a visita dos reis de Espanha, Felipe VI e Letizia, «reflete a solidez e a intensidade das relações entre Portugal e Espanha».

«Esta visita reflete a solidez e a intensidade das relações entre Portugal e Espanha, relações de países vizinhos, relações de países amigos, marcadas pelo respeito mútuo e pelo trabalho em conjunto em múltiplos assuntos de interesse comum», declarou o Presidente da República.

Cavaco Silva falava na Sala das Bicas, no Palácio de Belém, em Lisboa, após um encontro com Felipe VI, numa declaração conjunta dos dois chefes de Estado.

«No encontro que acabámos de ter constatámos que as nossas relações nunca foram tão intensas e tão diversificadas, nos mais variados níveis. Ao nível das instituições, dos empresários, dos jovens, dos cientistas, das universidades, dos agentes culturais, na segurança, entre os parceiros sociais», afirmou o Presidente.

«Vamos continuar por este caminho, e o excelente relacionamento entre Portugal e Espanha pode também ser aproveitado nas instâncias internacionais, na União Europeia, para a defesa dos interesses comuns», declarou.

Cavaco Silva quis prestar «homenagem» aos pais de Felipe VI, os reis Juan Carlos e Sofia, «pelo legado» que deixaram de «excelente relacionamento entre Portugal e Espanha», manifestando-se «certo» de que esse «caminho» continuará a ser trilhado.

«O reinado que agora suas majestades iniciam constitui uma renovação geracional que irá marcar certamente a história de Espanha. Desejo-vos as maiores felicidades», disse.

Na sua intervenção, o novo monarca espanhol destacou os «vínculos permanentes» entre Espanha e Portugal e acentuou a vontade de trabalhar «ombro a ombro» para responder «aos grandes desafios» atuais que se colocam aos dois países.

Portugal e Espanha partilham «interesses comuns, problemas comuns e vontade de trabalhar, ombro a ombro, para dar resposta aos grandes desafios que nos coloca o século XXI», quer na União Europeia, quer na zona geográfica onde se inserem os dois países e também na área ibero-americana, disse Felipe VI, no final de um encontro com o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, no Palácio de Belém.

«Aqui fica o nosso compromisso de fazer valer a história que nos antecede e de projetar esta relação para o futuro, a bem dos espanhóis e dos portugueses», sublinhou, numa declaração aos jornalistas.

O rei espanhol salientou que os dois países «têm tantas áreas de trabalho em comum que é difícil pormenorizar».

Antes destas declarações, a rainha de Espanha, Letizia, e a mulher do Presidente da República, Maria Cavaco Silva, encontraram-se hoje com a presidente da Federação das Doenças Raras de Portugal (FEDRA), que representa as 15 associações de doentes raros do país.

A Associação Nacional de Deficiências Mentais e Raras 'Raríssimas', da qual Maria Cavaco Silva é «madrinha oficial», foi criada em 2002 por um grupo de pais de crianças com aquelas doenças, tendo como maior projeto a Casa dos Marcos, inaugurada este ano no concelho da Moita.

Em Portugal existem cerca de 800 mil portadores de doenças raras e várias centenas de doentes por diagnosticar, tendo sido aprovado em 2008 o Programa Nacional para as Doenças Raras, que permitiu rastrear os portadores deste tipo de patologias e criar infraestruturas de apoio para os doentes.