O secretário nacional do PS João Proença acusou, este sábado, o PSD de recorrer a «linguagem imprópria» por sugerir que os dirigentes socialistas são antipatriotas.

«Hoje, o vice-presidente do PSD e porta-voz, na linguagem imprópria a que nos habituou, vem acusar o PS de não destacar os sinais positivos da economia. O que nos preocupa é o país, é, de facto, o desemprego insustentável com que continuamos em Portugal, o maior de sempre que se verificou. Os sinais externos de crescimento da economia que se verificam são isso mesmo, sinais externos. Verificam-se em Portugal e na Europa», declarou o antigo líder da UGT.

O social-democrata Marco António Costa considerou «antipatriótica a forma como o PS se comporta quando se recusa comentar os sinais positivos» do país, acusando os socialistas de não colaborarem com o Governo nem estar do lado da solução.

«[Os sinais] não são suficientes para combater o nível insustentável de desemprego e, ao mesmo tempo, gerar confiança em relação ao futuro. É fundamental que o Governo não tenha uma linguagem hoje e diga amanhã o contrário. Sobretudo, que não utilize uma linguagem imprópria, que não é de quem pretende dialogar, negociar e levar o país numa política de consenso social», respondeu Proença.