O ex-Provedor de Justiça Alfredo José de Sousa considerou esta quarta-feira que o «chumbo» das resoluções que defendem a reestruturação da dívida terá «reflexo político», sublinhando a pluralidade política do grupo que impulsionou a petição com o mesmo objeto.

«As atitudes ficam com quem as toma. Se a Assembleia da República chumbar há de ter com certeza um reflexo político», afirmou o antigo Provedor de Justiça, quando questionado sobre um eventual chumbo dos projetos de resolução do PS, PCP e BE que deverão acompanhar a discussão da petição com cerca de 35 mil assinaturas que defende a reestruturação da dívida portuguesa.

Alfredo José de Sousa, que falava aos jornalistas depois da entrega da petição à presidente da Assembleia da República, contrapôs, contudo, aquilo que são «os reflexos políticos» dos «reflexos partidários». «É óbvio que esta nossa intervenção tendo sido cívica, tem reflexos políticos, ninguém é ingénuo ao ponto de não pensar nisso. Mas, uma coisa são os reflexos políticos, outra coisa são os reflexos partidários», disse, chamando a atenção para «a pluralidade política, social, económica» do grupo que impulsou a petição.