O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou que «há sempre uma leitura a fazer das eleições», mas escusou-se a fazer mais comentários sobre as consequências para o Governo do escrutínio autárquico.

«Há sempre leituras nacionais a fazer das eleições autárquicas. Elas não são eleições nacionais, mas há sempre uma leitura nacional a fazer», reconheceu Passos Coelho aos jornalistas.

Passos Coelho sublinhou ainda a importância do poder local e dos representantes nas autarquias e juntas de freguesia para a «promoção do bem estar e do desenvolvimento» no país.

«Mesmo nas condições em que estas 308 campanhas decorreram, a verdade é que os portugueses vão escolher os seus representantes para os próximos quatro anos e isso é bastante importante na vida de todos nós. O papel local tem hoje um papel muito importante, já teve nos últimos 40 anos, mas tem hoje um papel muito importante na promoção do bem-estar e no desenvolvimento do país», declarou.

O primeiro-ministro referiu que «os objetivos partidários estão definidos» e deixou mais esclarecimentos para à noite, quando «falar aos portugueses».

O chefe do Governo deixou um apelo ao voto: «São sempre eleições muito importantes».

Passos Coelho votou este domingo para os órgãos locais na escola Stuart Carvalhais, em Massamá, concelho de Sintra, por volta das 11:25.

Após votar, Pedro Passos Coelho e a mulher regressaram a casa a pé.