Foi a terceira mensagem de natal de Passos Coelho como primeiro-ministro e a terceira num tom semelhante. Desta vez, o primeiro-ministro alertou para as dificuldades de 2014, considerando que é um ano decisivo.

Seis meses depois de tomar posse, Passos Coelho fazia a sua primeira mensagem de Natal. O tom era marcado pela economia e o primeiro-ministro prometia para 2012 o ano das reformas estruturais. Era também um tom de confiança no futuro e no programa económico para 2012. No cenário, em dezembro de 2011, marcavam presença o presépio e as velas do advento. Passos usava uma gravata verde e ainda não precisava de óculos.

Um ano depois, no Natal de 2012, o presépio continuou presente mas as velas desapareceram. O chefe do Governo passa a usar óculos e, no conteúdo, o primeiro-ministro junta os aspetos sociais da crise ao discurso. Passos prometia a reforma do Estado para 2013 e, quanto ao processo de ajustamento económico, o primeiro-ministro mantinha o tom de confiança embora não escondesse as dificuldades.

Neste Natal de 2013, o primeiro-ministro começa logo a mensagem por falar nos desempregados e mais vulneráveis ao contrário do que tinha feito nas duas mensagens anteriores.