«Espanha corta nas bolsas de estudo e mina o ensino público, exactamente o mesmo programa educativo do ministro Crato. No orçamento de 2014, até consegue aumentar as verbas para escolas privadas, mostrando o verdadeiro sentido dos cortes. Fomentar mais negociatas de clientelas partidárias que, à falta de auto-estradas, apostam nas PPP da Educação.»