«Deitados à sombrinha da máquina, os responsáveis financeiros do governo protegem-se com artimanhas. O secretário do Tesouro esqueceu tudo, até juros superiores a 30% nos derivativos. A ministra das Finanças promove para a sua ex-empresa ferroviária um fiscal que ignorou a vigarice. E o nosso PM (será outro sinal positivo?) não veta a última medida de Gaspar...»