«Apesar do frio gélido, Paulo Portas anda sempre no Verão. Ou persegue consensos despidos de qualquer realismo, ou acerta o relógio da troika para daqui a 6 meses, reinventando a louça das Caldas. Ou então, passa semanas inteiras fora do país, em nome do milagre solar das exportações. Veja-se no Golfo Pérsico...»