«Mestres do risco calculado, Paulo Portas e Pires de Lima voltaram de Moscovo com um discurso assanhadíssimo. Tendo defendido o interesse nacional em hotéis de luxo e mordomias pós-soviéticas, os ministros do CDS acham cada vez mais milagres económicos, patriotices empresariais e motivos para sorrir. Há que desconfiar deste optimismo militante, resultou antes na compra ruinosa dos submarinos.»