«Frutado, leve e fresco, o ministro das Polícias tenta parecer acabadinho de chegar. Exigiu demissões na PSP, obteve a cabeça do chefe que ele mesmo nomeou. No cerco policial do parlamento, Miguel Macedo teria preferido verter algum sangue, em nome da autoridade.»