O secretário-geral do PS exigiu este sábado explicações rápidas do Governo e do Banco de Portugal sobre a saída da equipa de Vítor Bento do Novo Banco. «Alguém tem que vir rapidamente dizer a público o que se está a passar» e devem prestar esclarecimentos «o governador do Banco de Portugal e o primeiro-ministro», afirmou António José Seguro, citado pela Lusa.

«Considero que esse esclarecimento deve ser obtido hoje [sábado], o mais tardar amanhã [domingo]», afirmou o líder socialista, em Seia, aos jornalistas, onde participou na iniciativa da JS denominada «Academia Socialista».

A equipa de gestão do Novo Banco liderada por Vítor Bento confirmou este sábado, em comunicado, que durante a semana apresentou ao Fundo de Resolução e ao Banco de Portugal a intenção de renunciar aos cargos desempenhados na administração da entidade.

«Em face da especulação mediática sobre o assunto, confirmamos que durante esta semana comunicámos ao Fundo de Resolução e ao Banco de Portugal a intenção de renunciar aos cargos desempenhados na administração do Novo Banco, dando tempo para que pudesse ser preparada uma substituição tranquila«, lê-se no documento assinado por Vítor Bento (presidente), José Honório (vice-presidente) e João Moreira Rato (administrador financeiro).

A 3 de agosto, o BdP tomou o controlo do Banco Espírito Santo (BES), depois de o banco ter apresentado prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros, e anunciou a separação da instituição em duas entidades distintas.

No chamado banco mau («bad bank»), um veículo que mantém o nome BES mas que está em liquidação, ficaram concentrados os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas.

No «banco bom», o banco de transição que foi chamado de Novo Banco, ficaram os ativos e passivos considerados não problemáticos.