A coordenadora do Bloco de Esquerda disse, esta quarta-feira, que o Governo tem como «maior interesse» o despedimento de funcionários públicos.

«Despedimentos e salários baixos. É a face de um Governo que tem de ser derrotado», defendeu Catarina Martins aos jornalistas, no dia em que o Diário Económico avança que o Governo vai invocar interesse público para aplicar 40 horas de trabalho por semana na função pública para anular as providências cautelares entregues para bloquear a medida.

«Não há nada de interesse público sobre estas 40 horas. O Governo tem estudos que lhe dizem que não há aumento de produtividade», acrescentou ainda a coordenadora do BE, que se encontrava numa ação na Trafaria, Almada.

Na ocasião, o partido questionou o que chamou de «negociata» em torno do terminal de contentores da Trafaria.

«Ainda ninguém percebeu quem é que serve este terminal. O país ficará a perder, a Trafaria ficará a perder, Almada ficará a perder. É um negócio ruinoso», declarou Catarina Martins.

Na segunda-feira Deputados do PCP, BE e PEV entregaram no Tribunal Constitucional um pedido de fiscalização sucessiva da constitucionalidade do diploma que aumenta de 35 para 40 horas semanais o horário de trabalho na administração pública.

O pedido de fiscalização foi entregue no Palácio Ratton por uma delegação das três bancadas parlamentares, composta por Luís Fazenda, do BE, Heloísa Apolónia, do PEV e António Filipe, do PCP.