A declaração de princípios, o nome e o símbolo de um novo partido político, que se pretende que seja um «espaço de liberdade no meio da esquerda», iniciativa do eurodeputado Rui Tavares, foram aprovados em Lisboa.

«Foi uma reunião preparatória, que acabou por ter mais gente do que estávamos a contar e na qual foi deliberada, votada e aprovada uma declaração de princípios», disse, este sábado, à Lusa Rui Tavares, depois do encontro que reuniu cerca de centena e meia de pessoas no Teatro São Luiz, em Lisboa.

O eurodeputado adiantou que ainda que esta noite, ou no domingo de manhã, a declaração de princípios estará disponível em www.livrept.net.

Além desta declaração, os presentes «aprovaram o nome [Livre] e o símbolo, que é uma papoila vermelha, que é o símbolo da Paz na Primeira Guerra Mundial e um símbolo de Liberdade», referiu.

«E decidiram prosseguir caminho a partir destes pontos de partida», disse Rui Tavares, acrescentando ter ficado «definido, por exemplo, que é um partido que se posiciona politicamente no meio da esquerda» e que «tem quatro grandes pilares: Liberdade, Esquerda, Europa, Ecologia».

Rui Tavares defendeu que a reunião «determinou que estas pessoas querem constituir um partido que seja um espaço de liberdade no meio da esquerda».

«Não sendo uma apresentação oficial, nem ainda uma assembleia constitutiva do partido - isso em princípio ocorrerá no mês de dezembro -, demonstrou a vontade destas pessoas em prosseguir caminho», sublinhou.

No encontro, estiveram presentes, entre outros, o vereador da Câmara Municipal de Lisboa José Sá Fernandes, a ex-dirigente socialista Ana Benavente, a militante bloquista Joana Amaral Dias e a deputada socialista Inês Medeiros.

De acordo com Lei dos Partidos Políticos, «a inscrição de um partido político tem de ser requerida por, pelo menos, 7500 cidadãos eleitores» junto do Tribunal Constitucional.