O secretário-geral comunista exigiu, este sábado, ao primeiro-ministro que «reponha aquilo que roubou às famílias», num comício em Lisboa no qual apelou ao reforço do voto na Coligação Democrática Unitária (CDU) nas eleições europeias de 25 de maio.

«Veio colocar como uma das suas prioridades de ação o combate ao grave problema da baixa natalidade no país. Que grande fiteiro, camaradas! Cortam nos salários, encarecem a habitação, cortam no abono de família, discriminam as mulheres em função da maternidade e do apoio aos filhos, tornam a vida cada vez mais difícil e, depois, vêm chorar lágrimas de crocodilo por causa da natalidade. Reponha aquilo que roubou às famílias e vai ver que, com certeza, aumenta a natalidade», afirmou Jerónimo de Sousa.

Num discurso de 38 minutos, perante uma plateia de mais de 700 pessoas, no Fórum Lisboa, o líder do PCP voltou a fazer um diagnóstico negativo relativamente à situação económico-social do país, nomeadamente nas áreas da Saúde e da Educação e Ciência e dos direitos dos trabalhadores, criticando a atuação do Presidente da República, o mais vaiado da sessão, mas também do PS.

«Acusamos este Governo e responsabilizamos o Presidente da República e todas as instituições que com eles colaboram de serem autores deste crime social, económico e financeiro que se está a praticar. Um Governo que muda as regras do jogo no meio da partida, que legisla retroativamente contra todos os princípios do direito com a anuência do Presidente da República», disse.

Jerónimo de Sousa aconselhou o líder do executivo da maioria PSD/CDS-PP a ter «vergonha» e a não dizer «aquilo que sabe que é mentira», referindo-se ao alegado esforço de equidade na distribuição das medidas de austeridade.

«Há dias, vimos Passos Coelho, muito empertigado a falar da equidade deste Governo na distribuição dos sacrifícios. Pasme-se, que este foi o Governo que mais pediu aos ricos. Imaginem o riso às gargalhadas que esses senhores do dinheiro, das grandes fortunas, do grande capital, devem ter sentido ao ouvi-lo dizer que tem molestado os ricos. Coitadinhos. Por isso mesmo é que as suas fortunas aumentaram nos últimos anos», afirmou.

Para o também deputado comunista, «é Passos Coelho que se ilude quando julga poder sentenciar e decretar a pobreza perpétua», pois é «tão certo como o dia a seguir à noite que quem há de ser derrotado é este Governo e o povo vencerá, recuperando o que perdeu com a sua luta, intervenção e reclamação».

«Vemos na televisão, no sistema mediático, dominantemente os mesmos, os representantes exclusivos do comentário - em geral, mandatários do bloco direitista dos interesses a debitar 'rebeu-beu-béu, pardais ao ninho', etcetera e tal, sempre dando ares de independentes, com argumentos do Governo e dos grandes centros do capitalismo - a levar a água ao moinho da exploração do trabalho», condenou ainda, pedindo uma «campanha de denúncia dos que, como o PS, se identificam com as conceções federalistas da União Europeia».

Jerónimo de Sousa defendeu que a CDU (que congrega ainda Os Verdes e a Intervenção Democrática) precisa de se tornar «mais forte na batalha eleitoral importante» para o Parlamento Europeu.