O ano lectivo arrancou de forma atrasada e 1800 professores estão ainda por colocar, quem o admite é o presidente do Conselho Nacional de Educação em entrevista na TVI24.

«Há que reconhecer que há um conjunto de colocações que ficaram atrasadas, mais, há colocações, vamos admitir, 1800, 1500 professores por colocar. É bastante. Entendo que há coisas que não correram bem, manifestamente não correram bem, fundamentalmente a colocação de professores, em especial porque foi atrasada, não é porque tivesse havido as ditas trapalhadas», explicou.