O Governo português manifestou surpresa com as palavras do presidente angolano sobre a relação entre Portugal e Angola e reiterou a importância e o «alcance estratégico» que tem atribuído a esse relacionamento bilateral.

«O Governo português tem defendido e praticado uma consistente atividade visando o estreitamento da relação especial com o Governo angolano. De facto, os laços particulares que unem os dois povos e as duas nações mais do que justificam essa prioridade da política externa portuguesa», lê-se num comunicado do executivo PSD/CDS-PP hoje divulgado pelo gabinete do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.

«Até por isto, e apesar da surpresa com que escutou as referências feitas hoje pelo senhor Presidente José Eduardo dos Santos à situação da relação entre os nossos dois países, o Governo reitera a importância que tem atribuído e continua a atribuir ao bom relacionamento entre Portugal e Angola e ao alcance estratégico para angolanos e portugueses desse bom relacionamento aos mais diversos níveis», refere o mesmo comunicado do Governo português.

O presidente angolano, José Eduardo dos Santos, considerou hoje que «o clima político atual» da relação entre Portugal e Angola «não aconselha à construção da parceria estratégica antes anunciada» entre os dois países.

«Só com Portugal as coisas não estão bem. Têm surgido incompreensões ao nível da cúpula e o clima político atual, reinante nessa relação, não aconselha à construção da parceria estratégica antes anunciada», declarou José Eduardo Santos, no seu discurso sobre o estado da nação, na Assembleia Nacional de Angola.

Portugal e Angola têm previsto realizar, em Luanda, em fevereiro do próximo ano, a primeira cimeira bilateral, anunciada em fevereiro pelo então ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros português, Paulo Portas.