O ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, Luís Marques Guedes, expressou, esta quarta-feira o «total repúdio» pela «triste figura» do presidente da FIFA, Joseph Blatter, nas declarações sobre o futebolista Cristiano Ronaldo.

«Todos podemos ter momentos infelizes em que nos sai uma palavra, uma frase ou um comentário que mais tarde, com outra ponderação, gostávamos de não ter dito. A pantomima que o senhor Blatter encenou sobre o Cristiano Ronaldo não foi um momento desses, foi uma triste figura», pode ler-se na mensagem assinada pelo governante enviada à agência Lusa.

O presidente da FIFA, que entretanto pediu desculpas a Ronaldo e à comunidade do futebol português, assumiu, na passada sexta-feira, na Oxford Union Society, em Inglaterra, que a título pessoal prefere Messi a Cristiano Ronaldo, chegando mesmo a levantar-se e a tentar imitar o português.

«O outro [Cristiano Ronaldo] é como um comandante em campo», referiu o presidente de FIFA, enquanto simulava um soldado a marchar e perante os risos da plateia, acrescentando que «um [Ronaldo] gasta mais em cabeleireiro do que o outro [Messi]».

Para o ministro Luís Marques Guedes, esta postura de Blatter foi «triste e ofensiva para o Cristiano e para os amantes, em todo o mundo e, particularmente, em Portugal, do espetacular futebol que ele tão bem joga».

«Revejo-me integralmente na manifestação de incredulidade e indignação com que a Federação Portuguesa de Futebol de imediato reagiu, embora me pareça uma perda de tempo pedir explicações sobre o sentido daquilo que todos vimos e que, sem reservas, merece o nosso total repúdio. O Cristiano é credor da justa admiração de milhões em todo o mundo e motivo de orgulho para nós, portugueses», acrescentou Marques Guedes.

O governante conclui a sua mensagem expressando a «incondicional solidariedade» para com o «capitão» da seleção portuguesa e avançado do Real Madrid.