O ex-Procurador Geral da República comparou o fecho dos tribunais aos «guetos» nazis, acusando o Governo de «ruína» das populações.

Pinto Monteiro falava na Guarda, domingo à noite, em entrevista à Rádio Altitude.

«Não venham com a troika. A justiça fecha os tribunais porque quer. A troika é como a história do papão, que se dizia em pequeno. A troika não mandou fechar tribunais nenhuns. O fecho é capaz de poupar alguns tostões, mas a ruína atinge populações que quase já só tinham os tribunais. Fecha tudo, fecham as Finanças, fecham os bancos¿ Era melhor proibirem as populações que têm menos de x habitantes¿ fecharem-nos à força como fazia antigamente o regime nazi», criticou o antigo magistrado do Ministério Público.

Pinto Monteiro manifestou-se, uma vez mais, «contra o encerramento dos tribunais», convidando o Governo a visitar «as terras» para testemunhar a «morte» do Interior do país.

«Quando o anterior Governo planeou o encerramento dos tribunais, eu fui contra. O anterior Governo fez marcha atrás, este Governo avançou, não só com uns mas com outros. Quem nasceu aqui, quem vive aqui sabe que as terras do Interior estão a morrer. Era necessário que os senhores ministros fizessem uma incursão pelas aldeias e vilas do interior para o perceberem. Não há nenhuma poupança que justifique a deslocação das populações e o encerramento dos tribunais em terras onde já só há os tribunais. Eu penso que isto é uma vergonha. Na minha opinião é uma vergonha a que alguém devia pôr cobro, de poupar meia dúzia de tostões para pôr as populações sem justiça», defendeu.