A deposição dos restos mortais de Eusébio no Panteão Nacional mereceu o consenso de todos os grupos parlamentares, mas conforme está previsto na lei o processo só poderá concretizar-se dentro de um ano.

A concessão das «honras do Panteão Nacional» ao antigo futebolista, que morreu no domingo, foi um dos assuntos debatidos nesta quarta-feira na conferência de líderes, com todos os partidos a apoiarem a ideia que a presidente do Parlamento já tinha admitido vir a concretizar-se.

«Há um grande consenso por parte de todos os grupos parlamentares no sentido de que a Assembleia da República venha nos termos da lei a conceder ao Eusébio da Silva Ferreira as honras do panteão nacional», adiantou aos jornalistas o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, ainda durante a conferência de líderes, considerando que a vida desportiva e cívica do antigo futebolista «enquanto atleta e enquanto homem» justifica os pressupostos de atribuição dessas honras.

«Era uma figura consensual em todo o espaço político e desportivo», corroborou o deputado do CDS-PP Telmo Correia.

Telmo Correia lembrou, contudo, que para a concretização da deposição dos restos mortais de Eusébio no Panteão Nacional «há uma tramitação legal a cumprir» e que estabelece que o processo só possa acontecer dentro de um ano.

De qualquer forma, «a intenção ficou já assinalada», acrescentou Telmo Correia.

Pelo PS, o líder parlamentar Alberto Martins assinalou igualmente o facto da «opção política» ter já ficado «expressa de forma muito clara» como reconhecimento de Eusébio como «uma grande figura nacional».

Quanto aos custos do processo, uma questão que chegou a ser levantada pela presidente da Assembleia da República, que esteve ausente da conferência de líderes, Alberto Martins, tal como os representantes dos outros partidos, disse que a questão não foi levantada.

O líder da bancada do PCP, João Oliveira, reiterou igualmente a abertura do seu partido para dentro de um ano iniciar-se o processo para a deposição dos restos mortais de Eusébio no Panteão Nacional.

Eusébio da Silva Ferreira morreu no domingo às 04:30 vítima de paragem cardiorrespiratória.

O «Pantera Negra» ganhou a Bola de Ouro em 1965 e conquistou duas Botas de Ouro (1967/68 e 1972/73). No Mundial Inglaterra de 1966 foi considerado o melhor jogador da competição, na qual foi o melhor marcador, com nove golos.

Na mesma competição, Portugal terminou no terceiro lugar.

Eusébio nasceu a 25 de janeiro de 1942 em Lourenço Marques (atual Maputo), em Moçambique.