O cabeça de lista às europeias do Portugal Pró Vida (PPV), Acácio Valente, desmentiu esta sexta-feira que os números de mulheres a abortarem tenham diminuído e garantiu que, em vez disso, tem subido a «frequência» das interrupções de gravidez.

Numa ação de campanha para as eleições de 25 de maio, junto de uma associação que tenta demover as mulheres de abortarem numa clínica localizada no outro lado da rua, o candidato afirmou ser «falso que os abortos estejam a baixar».

«É falso que os abortos estejam a baixar, eles estão a aumentar. A relação com os nascimentos baixou ainda mais. Chama-se a isso frequência. E a frequência do aborto aumentou», notou.

«A frequência aumentou e isso é que é preocupante e isso é que é preciso dizer», afirmou o número 1 da lista, que criticou a «ilusão de números que se apresentam para aí e muitos deles são encomendados».

Junto da Associação Mãos Erguidas, em Lisboa, Acácio Valente explicou que naquele local se «acolhem diariamente pessoas: umas que se encaminham para lugares de morte e outras que procuram auxilio.»

Naquela manhã, segundo o candidato foram acolhidas três pessoas.

«A nossa razão de ser de estarmos aqui é voltada para a vida, registámos com muita satisfação termos desviado algumas pessoas e que agora nos agradecem, que agora vêm com os filhos», afirmou o candidato, garantindo que naquele local há «pessoas disponíveis para acolherem e dar um futuro» a quem diz que não tem possibilidades para ter filhos.

Acácio Valente aproveitou para questionar a razão de haver «subsídio ao aborto, à morte e porque não há subsídio à vida, à natalidade?».

«Porque é que não se protegem as famílias, porque que é que não se dá alento aos jovens para constituir o seu projeto de família?», acrescentou o candidato, que afirmou não ter dúvidas que será eleito para o Parlamento Europeu por, nomeadamente, «ser a resposta para 65% dos que se querem abster».