A coordenadora do BE Catarina Martins apelou este domingo ao voto nas europeias, considerando que nesse dia «quem cala, consente», e apelidou de «vazia e alucinada» a campanha feita pela direita nestas eleições.

«No dia 25 de maio quem cala, consente. Quem cala, permite mais desta Europa que humilha, desta Europa que despreza quem trabalha, desta Europa obediente aos mercados financeiros. No dia 25 de maio, quem sente a injustiça, quem sente a austeridade na pele, quem não se resigna sabe que o que é preciso é a coragem para desobedecer aos mercados financeiros», disse Catarina Martins numa ação de campanha junto à Lagoa de Óbidos, na Foz do Arelho.

A coordenadora do BE falou ainda da «estranheza» com que olha para a campanha da maioria, acusando PSD e CDS de não estarem a apresentar uma única proposta neste período eleitoral.

«A campanha vazia e alucinada de PSD e CDS é a prova que nem eles acreditam no milagre económico apresentado pelo Governo», criticou.

Para Catarina Martins, o que é «concreto, real e urgente» nesta campanha é o desemprego, a emigração e os cortes em pensões e salários.

A deputada considerou que falhou a estratégia da austeridade e que «não há nova economia, há a velha economia, mas mais pobre».

«A dívida é um monstro gigante que não para de crescer. A decisão corajosa é a de reestruturar. É preciso acabar com o monstro da dívida», defendeu.

Nesta sardinhada junto à Lagoa de Óbidos, a cabeça de lista do BE às europeias Marisa Matias considerou que «vale a pena fazer todas as lutas e todos os esforços» para dar a volta à situação do país e recuperar a política.

«Tudo aquilo que nos fez ser sociedade está a ser posto em causa. É possível dar a volta a isto. Hoje estamos em melhores condições para dar a volta do que há 40 anos», enfatizou.