O primeiro-ministro defendeu, este sábado, que os novos dados da execução orçamental, divulgados na sexta-feira, confirmam a redução da despesa do Estado.

«O Estado tem de gastar menos e está a gastar menos», disse Pedro Passos Coelho ao comentar os dados. De acordo com a Lusa, o chefe do Governo falava na apresentação, em Sintra, do candidato da coligação PSD/CDS/MPT Pedro Pinto à câmara local.

De acordo com a síntese de execução orçamental de julho, divulgada na sexta-feira pela Direção-Geral do Orçamento, o défice da administração central melhorou até julho cerca de 500 milhões de euros embora os gastos com subsídios de desemprego tenham aumentado 10,5% e o défice das administrações públicas ultrapassado os cinco mil milhões de euros.

Apesar de reconhecer o aumento na despesa com prestações sociais, Passos Coelho sustentou que o Governo «está mais próximo de tirar o país da assistência financeira». O chefe do Governo assinalou que o rácio da dívida pública «vai baixar» e apontou para o final do ano um rácio de 122 por cento.

Esta foi a primeira intervenção de Passos Coelho depois do discurso na Festa do Pontal, em Quarteira, que marcou o fim das férias do primeiro-ministro.